Sou lojista
1 /3
Comparativo de carros
Você pode selecionar mais um carro
Você pode selecionar mais um carro
Você pode selecionar mais um carro

​​

Como transportar seu cachorro no carro com segurança​​

Confira o que não fazer, quais os equipamentos adequados e tudo para andar com animais de estimação no seu automóvel.​


transportando cachorro no carro.jpg

Você sabe como transportar cachorro em carros? Viajar com animais de estimação requer equipamentos adequados, que garantam a segurança dos pets e também dos passageiros. 

Além disso, é obrigatório por lei. Os artigos 235 e 252 do Código de Trânsito Brasileiro, por exemplo, falam sobre as formas erradas de transportar animais domésticos – ações que podem gerar multas de quase 200 reais e perda de até 5 pontos na carteira. 

Por isso, preparamos este miniguia com tudo que você precisa saber sobre o que não fazer e como transportar seu animal de estimação com segurança no carro. Veja!

1. Não deixe seu cachorro ou animal de estimação solto no veículo


Provavelmente, você já deve imaginar que qualquer animal de estimação solto dentro do carro pode provocar acidentes sérios, certo? Isso, porque eles podem se movimentar para diversas áreas e tirar a atenção do motorista, que consequentemente perderia o controle da direção. 


2. No colo do passageiro do banco de trás, também não dá certo


Em caso de acidente, o animal que está no banco de trás pode machucar seriamente o ocupante dos assentos dianteiros. Isso porque, sem cinto de segurança e apenas no colo de alguém, o bichinho é lançado e costuma atingir quem está na frente. E o resultado é bem ruim para os dois. 

De acordo com a organização britânica Royal Society for the Prevention of Accidents, cada quilo do animal é multiplicado por 30 em um acidente que ocorre a 50 km/h. Em outras palavras, numa batida a essa velocidade, um cachorro de 22 quilos atinge quem está na frente com o peso equivalente a 600 quilos, por exemplo.


3. Não prenda o cão pela coleira


Utilizar o cinto de segurança para cachorro ou para gatos dá certo apenas se for com o equipamento apropriado e de acordo com o tamanho. Prender um cachorro ao cinto de segurança pela coleira, por exemplo, pode enforcar o animal. 


4. Utilize os equipamentos adequados para cada espécie e peso


Para cada tipo de bicho, existe um equipamento e maneira adequada de fazer o transporte. Assim, tanto os animais quanto os passageiros ficam protegidos e correm muito menos riscos em caso de acidente. 

Confira os principais métodos de segurança recomendados por especialistas e veterinários:


#Para cães


Cinto canino: envolve o peito, ombro e costas do cachorro e deve ser preso no cinto ou no Isofix do banco traseiro. Serve para cães que pesam entre 5 e 50 quilos. 

Caixa de transporte para cachorros: é fixada no cinto ou na parte de trás do banco dianteiro. Serve para cães com até 25 quilos. 

Grade divisória: utilizada principalmente no porta-malas de minivans e SUVs, é ideal para cães de grande porte e mais inquietos. Vale lembrar que é preciso colocar cinto canino para absorver impactos. 



gato em caixa de transporte.jpg


#Para gatos


Caixa de transporte para gatos: a melhor forma de levar os felinos para passear de carro é dentro das caixinhas de transporte, onde eles se sentirão mais seguros e menos agitados. Para prender a caixa, use o cinto de segurança.


#Para pássaros e hamsters


Bolsas transporte: são como gaiolas, mas menores e com acabamentos acolchoados – assim, os bichinhos não se machucam caso fiquem muito agitados e, no caso das aves, resolvam voar dentro da bolsa. Elas são presas no cinto ou no Isofix. Para viagens de duração superior a uma hora, a bolsa precisa ter alimentação, ventilação adequada e bebedouro.

cuidados com cachorro durante a viagem.jpg


Viagem com animais de estimação: cuidados além do carro


Além dos itens de segurança, você pode tomar alguns cuidados extras para deixar a viagem com animais de estimação mais tranquila. Veja o que recomendam os especialistas:

  1.  Evite alimentar seu bichinho pouco antes da viagem, para que ele não sinta enjoo. O ideal é que a refeição aconteça com pelo menos quatro horas de antecedência ao momento de pegar a estrada. 
  2. Se possível, tente viajar no final da tarde ou à noite. Sem a luz do sol e o calor do dia, a tendência é que os animais fiquem mais calmos e até durmam. 
  3. Faça paradas para que cachorros e gatos possam caminhar, fazer xixi e beber água. 
  4. Falando em ar, mantenha o ar condicionado em uma temperatura amena – nem muito quente e nem muito gelado. 
  5. Nunca deixe os animais sozinhos no carro fechado. 
  6. Não deixe os animais muito expostos ao sol – se a viagem for durante o dia, vale a pena apostar em uma tela protetora para o vidro. 
  7. Em viagens mais longas, é bom levar os documentos dos animais – como a carteira de vacinação em dia, caso o seu veículo seja parado numa blitz de rotina.